fbpx

Deu branco? Uma técnica para desbloquear a criatividade

Uma técnica eficaz para superar bloqueios criativos.

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Você já empacou na criação de um conteúdo? Já tentou transformar uma ideia em texto e não conseguiu colocar no papel? Já sofreu bloqueios criativos? Então, leia esse artigo até o final, pois eu vou te ensinar uma técnica que já me ajudou bastante nesses momentos.

Nos últimos meses tenho tido muitos clientes de mentoria. É uma alegria colaborar com eles na construção de seus posicionamentos na internet, das suas estratégias de conteúdo e vê-los conquistando clientes e resultados. Porém, percebi em certo momento um efeito colateral. Ao ajudar tanta gente com seus conteúdos, criar os meus próprios conteúdos estava se tornando um processo mais sofrido.

Sim, deu o famoso branco.

Como grande parte do meu trabalho envolve a criação de conteúdo, não posso me dar ao luxo de esperar a “inspiração” voltar. Recorri a uma técnica que já me foi útil em outros momentos como esse.

Uma velha conhecida, que me serviu mais uma vez.

Escrita em queda-livre

A escrita em queda-livre (free fall writing) é um método criado pelo escritor best-seller canadense W.O Mitchell e consiste em escrever sem interrupção, provocado por uma pergunta inicial, durante um tempo pré-determinado.

A cereja do bolo é que isso tem que acontecer ao som de música boa, escolhida a dedo para estimular o processo.

O objetivo é tirar ideias do papel sem preocupação com a forma, registrar o fluxo do pensamento sem interrupção, estimular o pensamento divergente e desbloquear o processo criativo.

W.O. Mitchell

Você precisa, portanto:

1 – De um lugar confortável, sem interrupções e de material adequado (a caneta não pode falhar, o papel não pode acabar e a música não pode parar de tocar).

2 – Música boa que estimule o processo (evite os sucessos do momento, músicas que você goste a ponto de querer cantar junto ou que capturem sua atenção mais que a tarefa). Importante: a música tende a dar a cadência da escrita.

3 – Uma pergunta aberta para iniciar o processo. Nas últimas semanas, propus as seguintes questões: “Por que eu desejo escrever sobre o tema (insira aqui um tema de seu interesse)?” e “Como faço para ser mais criativo hoje?”

4 – Escrever sem parar até o final do exercício. Aqui cabem duas observações: (4.1) você não precisa escrever rápido, apenas não pode parar; (4.2) se faltarem pensamentos claros, registre o que está ao redor, os pensamentos divergentes que nada tem a ver com a pergunta, as frases que estão vindo em mente para te sabotar. Se vire, apenas não tire a caneta do papel.

Por que funciona?

Porque separa a concepção da crítica. Fazemos isso o tempo todo. Criamos, julgamos e destruímos as ideias antes mesmo de dar-lhes tempo suficiente para existir. O momento de criar e de criticar jamais devem coexistir.

Porque inibimos o pensamento consciente e vasculhamos o inconsciente. O início costuma ser parecido: usamos recursos óbvios e clichês. Como não é permitido parar de escrever, a mágica começa a acontecer quando os velhos truques terminam. 

Quanto mais tempo durar, mais profundo será o exercício. Experimente fazer por mais de três músicas e depois me diga o que aconteceu.

Já apliquei essa dinâmica em treinamentos e é comum ver gente que entra em estado de fluxo e não para de escrever quando as músicas terminam. Aliás, a escrita em queda-livre funciona bastante para momentos de brainstorming e para iniciar trabalhos criativos com equipes.

Lembre-se do objetivo

Repito, deixe a crítica de lado, pois ela vai estragar o processo. As ideias sem sentido não podem bloquear as que fazem.

O que foi escrito é para você, não será publicado ou lido por outros, então apenas curta a jornada.

Se jogue.

Conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Leia mais

Assine o LabFazedores

Seja um membro da nossa comunidade